Viu por aí um «Panama»? De papel?

Pareceria incrível, mas não o é. De todo. Perdemos o fio a Terabytes de informação privilegiada desse mediático Panama papers. Passaram mais de 3 meses desde o “início” da «saga que prometia mudar o mundo». Uma fuga de informação (e atenção que, pelos dados conhecidos, esta “fuga” – cirúrgica – constitui, em nosso ver, um concurso de crimes) posta a circular mundialmente. Parece uma eternidade, mas estávamos em Março de 2016. Prometeram-nos um elevar da consciência cívica da sociedade civil, transparência, acesso a informação, secretiva, privilegiada… Encheram as televisões, a rádio, a net, os espaços de troca de opinião, com os Panama papers. Um dilúvio informacional. Prometeram-nos o Mundo. Resta-nos um punhado de vagas pequenas coisas. Assemelham-se, diríamos, a «campanha e promessas eleitorais» até ao acto eleitoral.

Pois…

Atentemos no plano, intra-muros, do que fomos conhecendo em Portugal. Passamos de um «sangrar» semanal – metódico? – noticioso, regra geral com títulos «bombásticos» ao início do final da semana. Este facto enchia durante o fim de semana (e à semana, quando o Futebolês assim permitia) espaços de opinião mediatizados com comentadores, ética e moralmente superiores, ora defendendo ora atacando a figura – jurídica por sinal – desses planos fiscais agressivos adoptado por diversos clientes dessa tal de, outrora desconhecida, Mossack Fonseca.

Deambulávamos. No início de Abril, surge o nome de um português na lista da Mossack. Claro, à boa maneira portuguesa, inventamos logo um sistema de apostas espectaculares nos cafés do costume, no período que decorreu entre a saída do lead e a publicação da notícia. Surpresa. Para imensa desilusão dos apostadores, o grande «prémio» ficou, sempre, em casa, pois o nome do português – o 1.º por sinal – envolvido era um tal de «Idalécio»…

Semana após semana, lá surgia, ao final da mesma, uma suspeição, um nome, uma empresa – alegadamente – envolvidos em condutas passíveis de constituir práticas criminosas. Voltávamos, ciclicamente, ao spin dos comentários e comentadores. E assim inebriados anda(va)mos. Eis senão quando, mais para o fim de Abril (e, a bem dizer, da historieta destes Panama papers), somos surpreendidos com, mais um lead, apropriado, «Lista do saco azul do GES com avenças a políticos e jornalistas».

Aqui d’el Rei”. Seria agora que caíria o Carmo e a Trindade. Desenganámo-nos tão depressa quanto folheávamos, apressadamente, os jornais à procura, quer de «políticos» quer de «jornalistas». Foi assim, tão a seco e desde então, que acabamos por relativizar o tal escândalo que mudaria o mundo como o vemos – os Panama papers. Nem banksters, nem fraudes milionárias lusas, nem políticos, nem jornalistas, nem…nada. O tempo da notícia, desta notícia em particular, parece que morreu com a invocação desse último lead. Corporativismo? Não. Creio que, depois de tanta «promessa inicial», a frieza da realidade, nua, crua e simples, afastou a curiosidade – mundial – do tema com a mesma rapidez com que a avidez por descobrir algo o empolou.

O que nos resta?

Pela quantidade noticiosa a que fomos acedendo, visualizando nas televisões e na net, ouvindo nas rádios, ou lendo nos jornais, pode ser que tenhamos retido alguma informação. E a tenhamos interiorizado. Espero.

Desde logo que há mecanismos jurídicos – que permitem um planeamento fiscal agressivo, ainda que reservado apenas a quem pode dispôr de quantias significativas de dinheiro – legislados por executivos (democráticos e legitimados pelo voto) que furam a malha ancestral, ulpiana, actualmente esquecida, do Direito. Permitindo o furar do «Iustitia est constans et perpetua voluntas ius suum cuique tribuendi. Iuris Praecepta Sunt haec – Honeste Vivere, Alterum non Laedere, Suum Cuique Tribuere; i.e, «A Justiça é o desejo constante e perpétuo de dar a cada um aquilo a que tem direito. Estes são os preceitos do Direito – Viver honestamente, não ofender ninguém, dar a cada um o que lhe pertence», legitimamos a edificação de que sociedades futuras? É este o legado que queremos deixar para as gerações vindouras?

Depois e porque, quiçá, a justiça actual ainda vislumbre oportunidade na investigação à forma como os Panama papers se construíram com o tempo – mesmo no nosso caso correndo o risco de as condutas fiscais agressivas praticadas à data dos factos não constituirem qualquer tipo de crime legal – acho oportuno deixar aqui dois links. Quer para que possam aprender e construir, por antecipação, mecanismos melhor preparados para compreender a complexidade deste tipo de práticas, quer para acompanhar o final desta novela, emhttps://offshoreleaks.icij.org/ , ou, http://panamapapers.sueddeutsche.de/en/ .

Por fim, quanto ao resto, apelando à bona fides do cidadão-médio-comum, continuemos a legitimar os nossos governos que se preocupam com estas coisas tanto como nós o fazemos. Acho que é esta, a vontade democrática, a única, que devemos trazer incutida no dia em que vamos exercer esse nosso direito inalienável do voto.

Gosto(6)Não Gosto(0)

146 Comments

  1. This process is much more secure as compared to the area pharmacist pharmawest pharmacy canada cealise providing you your suggested medicines. There are numerous layers of checks and due care is taken to ensure the client's health is not jeopardized at all while minimizing expenses. This is what makes Canadian drug store online industry a huge success.
    pharmacy [url=https://bit.ly/2y3Ykjk]cheap rx drugs[/url]

    Gosto(0)Não Gosto(0)
  2. Pingback: Yeezy Boost 350
  3. Pingback: Balenciaga UK
  4. Pingback: Cheap NFL Jerseys
  5. Pingback: Nike Shoes
  6. Pingback: Pandora Rings
  7. Pingback: Nike Air Max 2019
  8. Pingback: Cowboys Jerseys
  9. Pingback: pandora charms
  10. Pingback: NFL Jerseys 2019
  11. Pingback: Adidas Yeezy Shoes
  12. Cod Elocon Mometasona No Rx [url=http://buyciali.com]cialis[/url] Propecia Sale Online Uk Expired Cephalexin Still Effective Methylprednisolone Canada No Prescption

    Gosto(0)Não Gosto(0)
  13. Pingback: Yeezy
  14. Pingback: Yeezy
  15. Pingback: Yeezy
  16. Pingback: clutch gucci snake
  17. Pingback: Nike Outlet
  18. Pingback: Adidas Yeezy
  19. Pingback: Yeezy Boost 350
  20. Pingback: Yeezy 350

Deixe Um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.