Insónias

O meu congresso do PSD (à distância)

Terminou hoje o 38º Congresso do PSD e com ele termina um ciclo de discussões estéreis e de insultos gratuitos nunca antes vistos no meu partido. As redes sociais foram nas últimas semanas o palco de um triste espetáculo entre militantes do PSD que se posicionam no combate político como uma espécie de fanáticos religiosos ou de membros facciosos de claques. O meu PSD não é rigorosamente nada disto.

Declaro desde já que não estive neste congresso. Não estive por vontade própria e ninguém me proibiu de estar. Este é talvez dos poucos congressos do PSD em que não estou em 30 anos que completo agora de militância no PSD (acumulando a militância na JSD). E não estive porque não me identifico minimamente com a atual direção do partido e com a estratégia desenhada para este ciclo de liderança que vai de 2018 a 2022, ou seja, o 1º e 2º mandato de Rui Rio à frente do PSD. Há 2 anos apoiei Rui Rio nas diretas, por falta de alternativa em que eu acreditasse. Em pouco tempo dei por perdido o meu voto de confiança em Rui Rio, quando assisti de perto ao ambiente cozinhado nos seus grupos de apoiantes de whatsapp e Facebook. Retirei-me de tudo porque a política não é nada daquilo que estão a fazer à volta de Rui Rio. Não votei por isso em Rui Rio nas últimas diretas. Não me considero Zequinha de ninguém, muito menos de Rui Rio que conheço há uns bons 20 anos.

Por falar nisso, lembro-me agora que fui presidente da JSD do Porto quando Rui Rio fez o seu primeiro mandato como presidente da Câmara Municipal do Porto e recordo-me muito bem do que as estruturas locais do PSD do Porto tiveram que passar com a guerra que decidiu unilateral e intempestivamente mover contra o Futebol Clube do Porto – a maior instituição desportiva da Cidade do Porto (gostem ou não os Zequinhas). Lembro-me também que não tive ninguém na minha comissão política que fosse avençado na Câmara Municipal do Porto ou que fizesse da política um modo de vida. Não devo por isso nada a Rui Rio ou aos seus atuais fiéis radicais.

Este congresso trouxe uma novidade: Rui Rio não domina as estruturas do partido. Apesar de ter ganho 53% dos votos nas diretas, não tem maioria no conselho nacional e perde o conselho de jurisdição. É difícil num partido como o PSD, um qualquer militante aceitar isto como normal. Não é normal. O presidente Rui Rio continua na sua intifada contra os seus adversários internos, alimenta-se disso e esquecendo-se qual é o seu papel fundamental enquanto líder do PSD. Não sobreviverá por isso muito tempo à frente do PSD, por escassez do alimento que elegeu para a sua dieta. Neste particular, vejo-me obrigado a concordar com o José Silvano que reclamou no congresso que nos temos que deixar de hipocrisias. Tem toda a razão. Não temos que disfarçar as nossas diferenças e sobretudo não somos todos obrigados a chupar os meus rebuçados ou a comer alheiras!

O PSD não merece o que está a acontecer internamente, do mesmo modo que os portugueses não merecem que o PSD seja este triste e paupérrimo espetáculo político. Precisamos de elevar a ambição e a qualidade dos quadros que são eleitos para os órgãos nacionais. Precisamos de compreender a natureza de poder do PSD e respeitar as idiossincrasias de cada distrital do partido. A prova absoluta de que Rui Rio perdeu o seu combate pela ética e pelos banhos de ética é o de que o tal cacique de que Rui Rio sempre reclamou é o mesmo cacique que o sustenta por pontas por mais uns tempos. Não é isto que é o PSD, nem na génese, nem na sua história de décadas.

Chegados aqui, resta-nos assistir no sofá ao total falhanço deste líder ou participar por todos os meios na discussão e fiscalização (interna e externa) de que o PSD sempre se alimentou. O PSD não é propriedade de Rui Rio ou de qualquer assembleia de acólitos seus. O PSD tem uma história de pluralismo e de discussão aberta (interna e muitas vezes pública) que não se compadece com este estilo de sala de aulas onde a professora só vê um Zequinha a quem dedica o seu tempo. Rui Rio nunca irá perceber que não é líder de um partido mas sim líder de uma facão. Não o perceberá porque não ouve ninguém, para além daquela meia dúzia de iluminados dos anos 80 que o idolatram no seu caminho para o abismo desde os tempos de faculdade.

O PSD resistirá a tudo isto como prova de uma dimensão política que muitos não reconhecem. O PSD elegerá uma nova liderança mais depressa do que alguns desejam. A prova disso foi a reação de hoje do congresso à tomada de posse dos diferentes órgãos nacionais do partido. Que grande banhada levou Rui Rio neste congresso. E não foi de ética!

Gosto(8)Não Gosto(0)