Insónias

CACE 17 anos depois

•Em 2003, como Presidente da Câmara fui confrontado, com uma situação inédita na minha vida, com o encerramento daquela que era a maior fábrica do concelho, a C.J.CLARKS. Na altura eu e a minha equipa, tínhamos cerca de 588 pessoas à porta e no desemprego, 15% da população activa. Não baixamos os braços e apresentamos um plano ao Governo de Durão Barroso, que passava pela criação do CACE-Centro de Apoio à Criação de Empresas do Tamega e Sousa e por um plano de formação profissional a 4 anos.Uma das primeiras fábricas a instalar-se foi a BRADCO (na altura com outro nome BRASPORT). Foram dias, meses, de muito trabalho longe da familia a preparar aquilo que muitos não acreditavam ser possível, e que outros recentemente já lhe chamavam Centro Empresarial, empregando quase tantos trabalhadores como aqueles que a CLARKS tinha quando encerrou. Hoje 17 anos depois da sua inauguração, a 26 de Março de 2094, o CACE era um caso do sucesso.
Todavia o final do dia 13 de Julho de 2020 ficará para sempre na minha memória, porque vi, num incêndio demolidor, desmoronar um projecto ao qual dei muito de mim para a sua criação e que era o sustento de centenas de familias Paivenses.
Aquela nave industrial é propriedade do Estado, IEFP. Espero que tal como em 2003 o Governo Central dê uma resposta rápida a esta situação.Existe. Os Paivenses já sofreram demais e merecem uma atenção especial do GOVERNO nesta hora difícil.
Não se percebe o atraso imenso na remoção dos destroços do CACE. Os Paivenses merecem mais e melhor.
Vamos voltar acreditar.
Gosto(0)Não Gosto(0)