Voto obrigatório? Vamos a esse debate.

Nas últimas eleições a abstenção tem aumentado de forma quase exponencial. Apenas têm votado em média cerca de 50% dos eleitores. É notório que a abstenção tem funcionado como uma forma de protesto face aos políticos que têm governado o nosso País.

Porém o distanciamento dos cidadãos não é um fenómeno recente, muito menos um problema que afecte apenas o nosso País. Por exemplo nas últimas presidenciais americanas quase metade dos eleitores não participaram nas eleições. O problema da abstenção tem raízes profundas, que vão desde o crescente descontentamento com os políticos que temos até ao desinteresse pelo fenómenos político, pelo que não existe uma solução mágica para o resolver. (Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(1)

A saturação: o Presidente da República

Sou um adepto confesso da sobreexposição.

Isso é visível na minha conta do Instagram.

É uma das muitas coisas que me aproxima do Presidente da República.

(Ainda guardo a sms que me enviou em resposta a uma outra minha, quando o felicitei pela vitória nas eleições, ele se quiser que a torne publica, e nem sequer votei nele)

Eu sou um admirador confesso de Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da sobreexposição.

(Ler Mais…)

Gosto(29)Não Gosto(0)

Sugestão ao Senhor Presidente da República

swing-dashboardPor razões óbvias e conhecidas os números ganharam nos últimos anos uma importância vital quando se fala de politica.

Acontece que os números analisados são tantos e contraditórios que o cidadão comum, onde eu me incluo, tem uma dificuldade tremenda em compreender qual o verdadeiro estado da nação em cada momento.

(Ler Mais…)

Gosto(10)Não Gosto(0)

O Presidente está como na praia…

marcelo_sentado_faculdade_direito

Parece que foi ontem.

Passaram cem dias e nem nos demos conta.

Pode haver aqui uma explicação, em teoria.

Talvez os dias tenham passado ao ritmo do próprio Marcelo Rebelo de Sousa, e passaram para nós, comuns cidadãos, que é isso que somos, a ideia de que passaram rápido, quando na verdade passaram cem dias.

Ao ritmo obrigatório de um calendário cada vez mais distraído.

E, nem de propósito.

Fui a Cascais, cem dias depois, em busca de relatos sobre o presidente. Fui, ao abrigo do meu ofício.

Ainda gosto do meu ofício, gosto de Cascais, como gosto do presidente, tudo favorável. Fica desde já cartas à mostra, em cima da mesa.

Adiante na escrita. (Ler Mais…)

Gosto(6)Não Gosto(0)