PARA QUE SERVE AFINAL UM GOVERNO?

BandeiraEspanha2012

Um país desgovernado, na agonia de um rumo. Assim se apresenta a vizinha Espanha, às eleições legislativas do próximo domingo, 26.

No tabuleiro político apresentam-se a jogo o afeiçoado ao poder, Mariano Rajoy, que arrisca a continuidade da sua vida política, motivado numa solitária resiliência, que nem aos colegas de partido agrada, Pedro Sanchéz, convicto ainda de que é possível conquistar a Moncloa, mesmo que afinal tenha que negociar com a direita, Pablo Iglesias, aprontado para se constituir o número 2 do futuro Governo, apesar da dura realidade partidária interna lhe oferecer como trilho apenas cacos, e Albert Rivera, hábil na manipulação à esquerda e à direita, como instrumento útil para atingir o seu objetivo. (Ler Mais…)

Gosto(6)Não Gosto(0)

Solidariedade Intergeracional!

Solidariedade Intergeracional

É um dos dados mais relevantes do mundo atual e saber o que fazer com este diagnóstico é umas das tarefas a que os políticos do nosso tempo têm que conseguir propor-se sob pena de, por inépcia, ajudarem a criar as bases de um conflito social sem fim.

De há pelo menos 20 anos a esta parte que o rendimento das gerações mais jovens se afasta gradualmente da média nacional. A geração mais jovem (abaixo dos 30 anos) está a perder rendimento face às gerações mais velhas. Os seus salários são menores, os seus empregos mais precários e tal situação vai gerar-lhes no futuro cada vez maiores dificuldades pois os seus rendimentos ao nível de reforma estarão indexados aos descontos feitos durante a sua carreira laboral mas corrigidos pelo fator de sustentabilidade.

A solidariedade intergeracional consiste numa ideia de comunhão de objetivos, de propósitos e de projetos entre as várias gerações, presentes e futuras, e aplica-se em diversos domínios como sejam o ambiente, a economia ou a segurança social entre outros. É uma visão que parte do ponto de vista de que a necessidade de gerar recursos para acorrer aos problemas e solicitações de uma geração não pode colocar em causa (hipotecar) o conjunto de necessidades que se virão a verificar no futuro, devendo sempre ser garantido que a geração seguinte não sofrerá com as decisões da geração presente.

(Ler Mais…)

Gosto(0)Não Gosto(0)