Escravidão

Pós modernidade à mesa. Um dos paradigmas mais impressionantes de nossa atualidade esta na ruptura dos processos de humanização e qualidade de vida. O modelo neo liberal de produtividade contra o de tempo. O retorno de um modelo administrativo Taylorísta aliado a psicose de nossos dias, megalomania e onipotência em um delírio, querer sucesso, status, alta produtividade e performance a qualquer preço. Pós modernidade é demarcada pelo retorno da escravidão em jornadas de trabalho desumanas de mais de 60 horas de trabalho semanais , na ideologia neo liberal de homens máquina que jamais se cansam e que são capazes de produzir 20 horas diárias, dormir 4 horas entre um emprego e outro e caso não consiga tal produção ganham a humilhação, chibatas, desemprego e o banimento social como incapazes, improdutivos ou inábeis. O estado, recursos humanos e o delírio megalomaníaco que jamais planeja delimitou este cenário no mercado de consumo e a crise vindoura engendra hoje uma alta ansiedade social por uma vivencia produtivista que diariamente é confrontada com nossa incapacidade e limitações. O paradigma do tempo de Kant dá vazão ao tempo do delírio e absurdo, o tempo do realismo deixado de lado na ruptura do tempo do delírio.

(Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(1)