O MICROCRÉDITO

As sociedades modernas apresentam uma grande tendência que condiciona de forma incontornável a realidade económico-social vindoura: a globalização.

A globalização obriga a ajustamentos que trazem riscos acrescidos, em especial em países como Portugal onde o perfil de competitividade assenta menos em sectores de tecnologia avançada, ou em países, também como Portugal, com problemas de qualificação da sua mão-de-obra.

A existência de um acrescido exige um reforço dos mecanismos disponíveis de protecção social, onde o Estado não se pode demitir de forma alguma das suas responsabilidades, e onde, convém lembrar, a sociedade civil deve assumir as suas obrigações de forma responsável.

Sabemos que uma sociedade que aspire a ser desenvolvida só o será verdadeiramente se for uma sociedade mais justa, mais socialmente coesa.

No que respeita ao papel a desempenhar pela sociedade civil, é minha convicção que deve, cada vez mais, assumir-se como parte da solução, para os problemas sociais que emergem nas sociedades modernas.

Neste contexto, o microcrédito é uma solução com muitos méritos já bem comprovados noutros países.

Este tema tem efectivamente vindo a revestir uma importância crescente nos últimos anos, e em particular após as Nações Unidas terem declarado 2005 como o «Ano Internacional do Microcrédito».

Responsáveis da ONU consideram que o microcrédito é um mecanismo essencial para os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, nomeadamente a erradicação da pobreza.

O microcrédito apoia várias actividades económicas, como as actividades do sector primário, o pequeno comércio ou o artesanato.

Alguns exemplos apontados pela ONU sugerem que o microcrédito contribui para o aumento do rendimento, para a criação de emprego, e permite indirectamente às famílias melhor educação e melhor saúde.

Embora o microcrédito seja mais visível nos países em vias de desenvolvimento, os fundamentos para a sua aplicação são universais e aplicam-se igualmente a economias desenvolvidas.

Na realidade, mesmo nos países ricos do hemisfério Norte, é frequente existirem famílias de poucos rendimentos mas com capacidade de trabalho e iniciativa, para as quais um simples apoio, por pequeno que seja, representa um poderoso «efeito multiplicador» da sua produtividade e rendimentos, contribuindo para o aumento do bem-estar social das famílias elevando-o para níveis acima do limiar de pobreza.

No nosso país, já se verificaram algumas iniciativas do sector empresarial privado na área do microcrédito.

O apoio concedido pelo microcrédito é reconhecido como um instrumento eficaz para a inserção social dos indivíduos e das famílias,em especial no âmbito do reforço da economia social e no combate ao desemprego.

O microcrédito não é nem deve ser uma moda passageira.

É uma actividade que pode e deve prosperar, porque contribui para objectivos sociais relevantes – redução da pobreza, melhoria das condições de vida, aumento da dignidade do indivíduo, redução da desigualdade – mas também para objectivos económicos – aumento do emprego, aumento do rendimento disponível, melhores padrões de consumo.

Na região do Tâmega e Sousa, temos várias incubadoras de empresas, onde se inclui o CACE – Centro de Apoio à Criação de Empresas (hoje com uma nova filosofia e ainda bem) situado nas antigas instalações da C.J.Clarks, em Castelo de Paiva.

Trata-se de uma oportunidade para quem quer criar a sua própria empresa. São pequenos espaços que podem potenciar a criação de postos de trabalho, como alguns o concretizaram.

Por tudo isto pode-se afirmar que temos em Portugal os mecanismos que consideramos importantes para a fixação de pessoas, o aparecimento de novos projectos e criação de postos de trabalho.

Apareçam as ideias e os projectos acontecem.

Tal como disse um dia Fernando Pessoa “DEUS QUER, O HOMEM SONHA, A OBRA NASCE”.

Gosto(2)Não Gosto(0)

11 Comments

  1. Pingback: Dog Kennels
  2. Pingback: Tips for Dog Run
  3. Pingback: Gazebo NZ
  4. Pingback: Outdoor Sofa Beds
  5. Pingback: Bedroom Furniture
  6. Pingback: Simple Gazebo NZ

Deixe Um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *