Insónias

Imprescindíveis

Numa democracia adulta os ocupantes de cargos públicos nunca são imprescindíveis.

Vem isto a propósito da actual polémica relacionada com a escolha do novo Procurador Geral da República.

Após seis anos de mandato a Procuradora Joana Marques Vidal divide a opinião publica portuguesa em relação à eficácia do seu trabalho, algo que acontece em quase todos os cargos de comando.

Este cargo não é outorgado por eleição mas sim por escolha do Governo e nomeação pelo PR.

Mal estaria a justiça em Portugal se fosse necessário renovar mandatos de seis anos pelo facto de alguém ser IMPRESCINDÍVEL.

Que pensariam os outros magistrados?

Doze anos é tempo demasiado para se ocupar um cargo tão importante, algo que não acontece com nenhum outro oriundo de eleições.

Estou convicto que a própria Dra. Joana Marques Vidal não pensa na renovação do mandato e não se considera imprescindível.

Gosto(6)Não Gosto(0)