POR MAIS FAMÍLIA, E MENOS ESCOLA

Por Mais Família Menos Escola

Escola pública. Que futuro nos espera ?

O sistema educativo em Portugal sofreu uma profunda transformação no período posterior à Revolução de Abril de 1974.

Dos conteúdos programáticos, às instalações, actualmente, nada tem comparação com as primeiras três décadas após 1974. E tudo isto com implicações de alguma dimensão económica nos orçamentos familiares.

Longe vão os tempos, em que ano após ano, usávamos os livros uns dos outros, agora tudo é diferente, todos os anos mudam os manuais e os encargos familiares disparam. São centenas de euros em livros gastos anualmente por aluno.

Mas se a este nível, tudo muda ano após ano, os recintos escolares estão, na minha opinião, cada vez mais descaracterizados.

Com o aparecimento da PARQUE ESCOLAR a escola pública ficou irreconhecível. Se ao nível das novas tecnologias e dos equipamentos que as mesmas incorporam foram dados passos significativos, ao nível do conforto e da eficiência das mesmas tenho sérias dúvidas que tragam benefícios aos utentes das mesmas.

Na minha qualidade de Presidente da Associação de Pais e Encarregados de educação de um Agrupamento de Escolas, com mais de 1900 alunos e mais de 2000 pais, tenho nos últimos meses passado algum tempo na sede do Agrupamento e onde estas situações que aqui descrevo são notórias.

Falo de verdadeiros comboios com aulas, com corredores com mais de cem metros, em que os professores passam aventuras para conseguirem chegar às suas salas de aulas, isto para além do facto do aquecimento destes equipamentos ser de tal forma elevado que os orçamentos que as Escolas dispõem fazem com que por vezes não chegue o dinheiro para pagar o aquecimento ou para simples reparações. A manutenção deste tipo de equipamentos foi algo que a PARQUE ESCOLAR não acautelou e pode levar à falência técnica de algumas escolas.

Naturalmente que, aos pais e encarregados de educação, isto passa um pouco ao lado, pois, para muitos aqueles equipamentos são depósitos de jovens que passam mais tempo nestes equipamentos, do que propriamente em casa.

Costumo dizer com assiduidade que um pai com filhos no ensino pré escolar deixa os seus filhos dentro da sala de aula, quando chega ao primeiro ciclo, a criança é deixada no hall de entrada antes da sala, quando entra no ciclo preparatório fica à porta da Escola e no ensino Secundário o aluno é deixado muitas vezes a umas dezenas de metros da Escola, isto é demonstrativo do afastamento da família em relação à escola.

Existem situações em que os directores de turma passam um ano lectivo sem conseguirem falar com os pais. Muitos encarregados de educação só vão à escola quando são chamados por esta. O procedimento devia ser o oposto. Devia haver uma inter- acção maior, e tudo podia passar, por exemplo, pelos pais e encarregados de educação envolverem-se no movimento associativo que integra a própria comunidade educativa.

É imperioso uma reflexão profunda sobre a Família e a Escola de hoje… O que queremos? Que responsabilidades temos? Que alternativas temos? Como repensar a família e a Escola?

Os professores e os outros actores de um equipamento escolar são peças muito importantes neste processo, até porque é com eles que os nossos filhos passam a maior parte do seu tempo, mas torna-se necessário uma maior participação das famílias no processo educativo.

Porque não criar um regime de voluntariado para muitos pais e encarregados de educação, que tenham disponibilidade, para poderem participar diariamente no auxílio à gestão escolar.

Estes equipamentos têm cada vez menos funcionários para as tarefas que lhes estão adstritas, o voluntariado poderia ser uma solução.

Portugal precisa de MAIS FAMILIA E MENOS ESCOLA, e quem sabe um dia teremos um Portugal diferente para melhor.

— Paulo Ramalheira Teixeira
Presidente da Direção da APAVECP

Gosto(3)Não Gosto(0)