Um PSD sexy: o que é isto?

António Pires de Lima há uns anos dizia “o CDS precisa de ser sedutor e sexy”. Nunca percebi bem o que o ex-ministro da economia pretendeu dizer com esta afirmação. Talvez ignorância minha. Também não sei se a resposta veio uns anos mais tarde com uma produção fotográfica de Assunção Cristas para a revista “SÁBADO” que ficou famosa. Por sua vez José Ribeiro e Castro contrapunha afirmando que queria um “CDS credível e não sexy”. Uma coisa é certa Pires de Lima teve muito mais sucesso que Ribeiro e Castro na vida política.

Ontem no JN é Salvador Malheiro que quase plagia Pires de Lima dizendo que o PSD “pretende ser mais sexy”. Confesso que também não entendi o alcance da frase do Director de Campanha de Rui Rio mas confesso que gostava de perceber a mensagem intrínseca a esta ideia da sensualidade se cruzar com a política. Penso que ainda teremos tempo. Mas uma coisa estou certo. Penso que nunca veremos Rui Rio numa produção fotográfica idêntica à de Assunção Cristas.

(Ler Mais…)

Gosto(10)Não Gosto(1)

SÍNDROME PASSOS

Tenho Pedro Santana Lopes como um tipo inteligente e não o considero, de todo, de direita nem sequer da ala direita do PSD, aquela que muito facilmente se confunde com o CDS.

A verdade é que, por questões meramente eleitorais, o Pedro deixou que a sua candidatura, sobretudo pelos apoiantes que juntou à sua volta, mas também por um discurso exageradamente anti PS, ficasse perante os militantes e, pior que tudo, perante a opinião publica, com uma imagem de direita.

(Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(2)

O papel dos novos partidos políticos no futuro de Espanha

Na passada sexta-feira o El PAIS publicou uma sondagem da Metroscopia que coloca o Ciudadanos de Alberto Rivera e Inés Arrimadas como o partido mais votado, em Espanha, com 28,3% claramente à frente do PP de Rajoy e do PSOE de Pedro Sánchez. Nesta sondagem os novos partidos – Ciudadanos e Podemos – somam mais intenções de votos que os tradicionais PP e PSOE.

Existem várias razões para explicar esta tendência ascendente do Ciudadanos. Em primeiro, o seu excelente resultado nas recentes eleições na Catalunha. Os eleitores perceberam que o Ciudadanos, o partido mais votado sob a liderança da jovem, bonita e inteligente Inés Arrimadas, foi o único a enfrentar com sucesso o desafio da independência. Este resultado eleitoral projectou o Ciudadanos em toda a Espanha como um partido vencedor.

(Ler Mais…)

Gosto(2)Não Gosto(0)

Somos Portugal Inteiro

Somos Portugal Inteiro – À volta do XVI Congresso da ANAFRE

              Foi esta a palavra de ordem do XVI Congresso da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE). Foi glosada em várias intervenções, do Presidente da República ao Presidente do Município anfitrião. Somos Portugal Inteiro! Mas quem deu verdadeiro sentido à expressão que encimava o painel do Pavilhão Multiusos de Viseu foram os Presidentes de Junta, desde logo, o Presidente do Conselho Diretivo da ANAFRE, Pedro Cegonho, e outros congressistas que usaram da palavra ou, simplesmente, participaram, votando.

             Logo no 1º dia dos trabalhos, ouvi esta expressão: “A Sessão de Abertura decorreu com muita dignidade”. Também acho. Talvez mais pela presença do que por algumas intervenções. (Confesso que não gostei nada do oportunismo da evocação da cidade de Viriato, do Senhor Presidente da República.) Já o Secretário de Estado das Autarquias Locais me pareceu, no seu saber de experiência feito de autarca que foi e soube ser, num registo ajustado ao momento. Estava ali para falar aos autarcas das Freguesias. Manteve-se nesse registo, com cordialidade, sem foguetório demagógico. E os comentários que ouvi evidenciavam como passou bem a mensagem que pretendia passar. Afinal, mesmo que não estivessem presentes delegados de todas as mais de 3000 freguesias, eram autarcas de freguesias que ali estavam a representá-las todos, dano sentido ao slogan “Somos Portugal Inteiro”. (Ler Mais…)

Gosto(0)Não Gosto(0)

Raríssimas ou talvez nem tanto

As Instituições Particulares de Solidariedade Social desenvolvem as suas actividades com dinheiros públicos, nomeadamente através de subsídios do Ministério da Segurança Social e das Autarquias.

Entendo que deveria ser uma prática corrente da tutela auditar regularmente o funcionamento e as contas destas Instituições.

No dia 28 de Dezembro de 2016, entendi que deveria solicitar ao Sr. Ministro da Segurança Social, José Vieira da Silva, uma auditoria às contas e ao funcionamento da Cooperativa de Solidariedade Social Sol Maior na sequência de uma notícia do PÚBLICO que envolvia as relações desta IPSS, alguns assessores e autarcas da Câmara de Vila Nova de Gaia, nomeadamente o seu presidente, Eduardo Vítor Rodrigues e a sua mulher, Elisa Costa. 

O resultado chega agora. Ontem o OBSERVADOR noticia que os resultados do processo de investigação aberto pelo Departamento de Fiscalização do Instituto da Segurança Social, que incluiu uma auditoria financeira, foram enviados ao Ministério Público. Perante estas conclusões agora deveremos aguardar pelas medidas que, neste caso, vai adoptar o Ministério da Segurança Social e pelo trabalho do Ministério Público.

Depois falamos!

Gosto(18)Não Gosto(4)

Vender a alma ao diabo

Após uma semana em que a Ministra da Justiça se pronunciou sobre o mandato da Procuradoria Geral da República, opinião tão fortemente criticada na comunicação social e em sectores políticos de direita, em que o PSD elegeu novo líder, em que Manuela Ferreira Leite afirmou na TVI 24 que a maioria dos portugueses não querem a esquerda no poder, em que Rui Rio diz lutar por uma maioria absoluta nas próximas eleições legislativas, em que se vive a difícil situação das nossas relações com Angola, eis que hoje aparece mais uma na sondagem em que o PS sobe e o PSD desce, mantendo a esquerda uma confortável maioria.

Pelo andar da carruagem e dados os ventos favoráveis que sopram da Europa e do mundo, considerando ainda a divisão que se vai notando no maior partido da oposição bem pode Manuela Ferreira Leite estar descansada pois não vai ter de vender a alma ao diabo ou engolir sapos vivos.

Pois a tendência é, como se vem verificando nestes últimos meses, do Partido Socialista vir a atingir a Maioria Absoluta….

Gosto(3)Não Gosto(0)

Sorria você está sendo coitado…

Você nem se deu conta que aprontaram contigo e que você foi o ultimo a saber! Já sei gosta de levar na cara ? Curte ser humilhado? Sim você gosta…

Hoje vamos discorrer sobre a arte da vida do masoquismo anunciada pela filosofia nas práticas do Marques de Sade rediscutidas superficialmente por Freud. Masoquismo é prática de vida mais comum que o que imaginamos…todo brasileiro é um masoquista chorar sorrindo esquenta os tamborins que vamos comemorar nossa miséria humana com uma divida publica de meio trilhão!

(Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(0)

SNS – Um país de loucos ou a historia trágica de um Centro de Saúde

PRIMEIRO ATO | A minha mãe, 84 anos, tem tendência para desenvolver ulceras varicosas. A ultima agravou-se ao ponto de ter que consultar o medico de família no Centro de Saúde de Miranda do Corvo, que prescreveu penso bissemanal.

A minha mãe, apesar da idade, da mobilidade reduzida, de viver cerca de 8 km do Centro de Saúde e de auferir uma pensão de reforma inferior a 300 euros/mes, não teve direito a ser tratada no domicilio e teve que se dirigir ao Centro de Saúde, duas vezes por semana, a expensas próprias (15€/viagem de táxi).

Ao fim de um mês de tratamento as feridas apenas tinham piorado apresentando até um cheiro desagradável, sem que por parte da “equipa de saúde” fosse tomada qualquer iniciativa alternativa.

A alternativa, face ao agravar da situação clínica, foi consultar um especialista privado, que prescreveu penso DIÁRIO, feito de forma diversa (usar apenas “betadine” em vez das pomadas/cremes anteriormente usados, por exemplo).

Obviamente que o tratamento teria que ser feito no Centro de Saúde que manifestou impossibilidade prática (apesar da minha reclamação) de o fazer no domicilio, por falta de recursos (!), apesar da evidente dificuldade física, alem da material, da doente se deslocar ao Centro de Saúde.

Mais uma vez a minha mãe teve que se “arrastar” e pagar as deslocações até ao Centro de Saúde.

Felizmente o problema resolveu-se em duas semanas.

(Ler Mais…)

Gosto(2)Não Gosto(0)