​A MODA DE FALAR DO QUE NÃO SABEM!

Alguém que explique ao cronista do Expresso, Henrique José Raposo que parto natural não é sinónimo de parto em casa e que parto medicalizado não é sinónimo de avanço civilizacional. Se não sabe do que fala, não faça figuras tristes e leia o seguinte:

Um parto pode ser natural não recusando “ a intervenção da medicina e da civilização humana”, por isso, primitivo é dizer que um parto natural significa “ficamos reduzidos à mera condição animal”. Dou o exemplo das Mães D’ Água pelo parto na água em Portugal, que enaltecem o que já foi feito no SNS e ainda o é nos Hospitais e Clinicas Privados sempre com acompanhamento de Enfermeiros Obstetras.

O recente parecer da ACOG (nº 679, Novembro de 2016) relativo a “Immersion in Water During Labor and Delivery” recomenda que a imersão em água no primeiro estádio do trabalho de parto possa ser oferecida a mulheres saudáveis, com gravidez de termo, e sem complicações na mesma.

Numa altura em que o XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridade melhorar a qualidade dos cuidados de saúde através de uma aposta em modelos baseados na melhoria contínua da qualidade, e na valorização e disseminação de boas práticas e de garantia da segurança do utente nos serviços, será de todo desejável promover partos normais/ fisiológicos sempre que possível.

(Ler Mais…)

Gosto(1)Não Gosto(1)

Coimbra2030: urgente mudança de atitude

 

Quais devem ser os conceitos chave do processo de construção de uma cidade/região que privilegie os ideais e seja capaz de identificar, avaliar e materializar boas ideias em benefício de toda a comunidade?

Por outras palavras, que variáveis devemos desenvolver para que a nossa cidade/região seja capaz de se tornar a escolha daqueles que procuram novas ideias e se identificam com essa atitude inconformada?

Nada desta discussão tem a ver com listas de pessoas. Constitui, na verdade, um debate prévio a cada projeto e tem a ver com um tipo de independência que é muito mal compreendida na nossa sociedade: a capacidade de em conjunto, sem objetivos relacionados com a circunstância pessoal de cada um, ser capaz de contribuir para o desenvolvimento de uma ideia global, a médio e longo-prazo, de cidade e região.

A escolha das pessoas deveria ser posterior a tudo isso, isto é, a escolha de pessoas deveria ser uma consequência do debate programático e de estratégia, permitindo que as lideranças se afirmem por isso mesmo, pela capacidade de liderar, e não por estratégias de pequeno grupo.

Na minha opinião, e tendo em conta a cidade em que vivemos, daria prioridade a 5 conceitos, todos eles relacionados com uma urgente mudança de atitude:

1) Inovação: ser capaz de introduzir sistematicamente novas formas de realizar, mais eficientes, mais preocupadas com o ambiente e com as pessoas;

2) Competência, profissionalismo e rigor: privilegiando com clareza a ideia de escolher os melhores e colocar o foco na capacidade de fazer bem as coisas no interesse de toda a comunidade;

3) Desenvolvimento de uma forte identidade local/regional: baseada em valores culturais e históricos que de alguma forma possam ser fatores de união e de um certo bairrismo;

4) Ideia clara de comunidade e de cidadania: é essencial que este conceito seja desenvolvido e considerado prioritário. Dele depende uma atitude inconformada de dedicação à comunidade, mas também da necessária valorização dos esforços que tenham a comunidade e os ganhos coletivos como objetivo essencial;

5) Abertura ao mundo: desenvolvimento de uma cultura que procure novas ideias e novas culturas, procurando incorporá-las, dando-lhes espaço, e permitindo que se desenvolvam.

Estou firmemente convencido, e isso guia a minha ação (por muito incompreensível que possa ter sido em alguns momentos), que a sociedade do futuro deve fomentar uma mudança radical de atitude, rejeitando os interesses de pequenos grupos e a promiscuidade entre o interesse público e o interesse privado, que são duas das principais causas da fraqueza económico-industrial relativa da cidade/região (e do país), transferindo o seu apoio para pessoas e grupos de pessoas com elevada competência técnica, elevados padrões éticos e que estão prontos a assumir responsabilidades a médio e longo prazo para a regeneração do tecido económico-industrial da cidade/região (e do país).

Gosto(4)Não Gosto(0)

O mapa da corrupção no mundo

A Transparency International (TI) é uma ONG que se dedica há 27 anos a estudar a evolução do fenómeno da corrupção, em 178 países do Mundo, tendo por base os níveis de percepção da corrupção na administração pública.

Após uma análise dos dados tornados públicos pela TI verifica-se que os países do Norte da Europa, conjuntamente com a Nova Zelândia, lideram destacados o índice da Transparência Internacional. Por sua vez os países africanos continuam a ocupar os últimos lugares desta tabela.

(Ler Mais…)

Gosto(15)Não Gosto(0)

Quando as escolhas de uns podem ser imposições para outros

O que me leva a escrever este artigo prende-se com o fervor a que tenho assistido na comunidade internauta portuguesa no que concerne às decisões que o recém-presidente eleito tem levado a cabo.

Comparando com o cenário político português, esta realidade deixa-me ainda mais perplexa pois em Portugal já há muitos anos que há uma clara manipulação da informação mas até ao senhor Trump ter inventado o conceito de “fake news”, ninguém por cá se parecia importar com o facto de estar a ser manipulado mas há uma onda de reacções violentas imediata cada vez que alguma dessas “so-called fake news” é utilizada por algum “anti-Trump”. (Ler Mais…)

Gosto(19)Não Gosto(0)

Vão deixar saudades, muitas saudades!

Barack Obama deixa hoje a presidência dos EUA. Um homem que deixou a sua marca indelével. Não fez tudo bem, nem tudo o que pretendia fazer, certamente, mas fez o mundo avançar. E avançou muito. Quebrou muitas barreiras e preconceitos. Mostrou que afinal o “homem mais poderoso do mundo” é um homem simples e normal, que dispensa o fato e a gravata e usa “jeans”, com uma vida e uma família normal, que riem e choram, saltam e brincam, como todos nós. Têm na sua casa dois cães – o Bo e a Sunny – que fazem parte da família. Por acaso de raça portuguesa: o cão de água português.

Obama é também mais um caso em que fica provado que por trás de um grande homem existe sempre uma grande mulher. Michelle Obama foi um suporte fundamental e deixa também o seu legado. Não entrou rico na Casa Branca, nem sai rico da Casa Branca. Não vimos ao longo destes oito anos o seu nome associado a qualquer escândalo pessoal ou familiar, nem a casos de corrupção. Vão deixar saudades, muitas saudades!

Gosto(13)Não Gosto(1)

Repensar os sistemas políticos

É urgente que nos dediquemos, sociedade civil incluída, a levar a cabo este exercício. Mudar pode ser algo complicado porque a maioria considera que “ ou não é ouvida” ou pura e simplesmente é impossível mudar.

Os recentes acontecimentos na Europa e no Mundo levam a que esta discussão seja cada vez mais urgente. O que se tem verificado é que quem ganha pelo voto popular não governa e se as pessoas já consideram que o seu voto de pouco ou nada vale, não tarda, desvinculam-se de vez desse dever cívico. (Ler Mais…)

Gosto(2)Não Gosto(0)

Uma agenda para Coimbra

 

É para mim muito desanimador ver o estado de degradação da cidade de Coimbra. Visível na falta de limpeza, na falta de cuidado, na falta de aprumo, mas essencialmente, na ausência de atividade, na ausência de iniciativa, na total ausência de estratégia económica e na capacidade de criar emprego, de estratégia cultural, educativa, em suma, de objetivos a médio e longo-prazo credíveis e partilhados pela população. Coimbra é a cidade que já quis ser tudo, mas que na verdade nunca montou uma agenda séria que permitisse concretizar tudo aquilo que quis ser. Não eram, percebemos bem, verdadeiros objetivos, os quais implicam equipas, planos detalhados, muito esforço, coordenação entre comunidades nas várias áreas e capacidade de enfrentar dificuldades. Na ausência de tudo isso, as anunciadas intenções não eram mais do que isso, intenções estéreis e inconsequentes. Muitas vezes atiradas para o ar na mira de objetivos de curto prazo, muito particulares ou pessoais, ou como justificação para gastar dinheiro de fundos comunitários. O resultado é o que está à frente dos olhos de todos. Basta querer ver. (Ler Mais…)

Gosto(19)Não Gosto(2)