POR MAIS FAMÍLIA, E MENOS ESCOLA

Por Mais Família Menos Escola

Escola pública. Que futuro nos espera ?

O sistema educativo em Portugal sofreu uma profunda transformação no período posterior à Revolução de Abril de 1974.

Dos conteúdos programáticos, às instalações, actualmente, nada tem comparação com as primeiras três décadas após 1974. E tudo isto com implicações de alguma dimensão económica nos orçamentos familiares.

Longe vão os tempos, em que ano após ano, usávamos os livros uns dos outros, agora tudo é diferente, todos os anos mudam os manuais e os encargos familiares disparam. São centenas de euros em livros gastos anualmente por aluno.

Mas se a este nível, tudo muda ano após ano, os recintos escolares estão, na minha opinião, cada vez mais descaracterizados.

Com o aparecimento da PARQUE ESCOLAR a escola pública ficou irreconhecível. Se ao nível das novas tecnologias e dos equipamentos que as mesmas incorporam foram dados passos significativos, ao nível do conforto e da eficiência das mesmas tenho sérias dúvidas que tragam benefícios aos utentes das mesmas.

Na minha qualidade de Presidente da Associação de Pais e Encarregados de educação de um Agrupamento de Escolas, com mais de 1900 alunos e mais de 2000 pais, tenho nos últimos meses passado algum tempo na sede do Agrupamento e onde estas situações que aqui descrevo são notórias.

Falo de verdadeiros comboios com aulas, com corredores com mais de cem metros, em que os professores passam aventuras para conseguirem chegar às suas salas de aulas, isto para além do facto do aquecimento destes equipamentos ser de tal forma elevado que os orçamentos que as Escolas dispõem fazem com que por vezes não chegue o dinheiro para pagar o aquecimento ou para simples reparações. A manutenção deste tipo de equipamentos foi algo que a PARQUE ESCOLAR não acautelou e pode levar à falência técnica de algumas escolas.

Naturalmente que, aos pais e encarregados de educação, isto passa um pouco ao lado, pois, para muitos aqueles equipamentos são depósitos de jovens que passam mais tempo nestes equipamentos, do que propriamente em casa.

Costumo dizer com assiduidade que um pai com filhos no ensino pré escolar deixa os seus filhos dentro da sala de aula, quando chega ao primeiro ciclo, a criança é deixada no hall de entrada antes da sala, quando entra no ciclo preparatório fica à porta da Escola e no ensino Secundário o aluno é deixado muitas vezes a umas dezenas de metros da Escola, isto é demonstrativo do afastamento da família em relação à escola.

Existem situações em que os directores de turma passam um ano lectivo sem conseguirem falar com os pais. Muitos encarregados de educação só vão à escola quando são chamados por esta. O procedimento devia ser o oposto. Devia haver uma inter- acção maior, e tudo podia passar, por exemplo, pelos pais e encarregados de educação envolverem-se no movimento associativo que integra a própria comunidade educativa.

É imperioso uma reflexão profunda sobre a Família e a Escola de hoje… O que queremos? Que responsabilidades temos? Que alternativas temos? Como repensar a família e a Escola?

Os professores e os outros actores de um equipamento escolar são peças muito importantes neste processo, até porque é com eles que os nossos filhos passam a maior parte do seu tempo, mas torna-se necessário uma maior participação das famílias no processo educativo.

Porque não criar um regime de voluntariado para muitos pais e encarregados de educação, que tenham disponibilidade, para poderem participar diariamente no auxílio à gestão escolar.

Estes equipamentos têm cada vez menos funcionários para as tarefas que lhes estão adstritas, o voluntariado poderia ser uma solução.

Portugal precisa de MAIS FAMILIA E MENOS ESCOLA, e quem sabe um dia teremos um Portugal diferente para melhor.

— Paulo Ramalheira Teixeira
Presidente da Direção da APAVECP

Gosto(4)Não Gosto(0)

A educação não vale mais do que a cultura

Ao que me parece, os portugueses não deixaram que o desejo de igualdade derrubasse a beleza e o espírito.  Mesmo sendo um país com preocupações sociais, não descuidou da arte, tampouco a usou para uma revolução cultural que gosta de jogar tudo fora.

Portanto, não sei se os portugueses terão afetividade hepática com a tal questão das escolas e da cultura,  advertida pelo título.  Espero que sim.

Toda pessoa é uma comunhão ou uma desarmonia das músicas que ouviu, dos livros que leu, dos livros que não leu, das pessoas de diferentes geografias, da própria geografia à cata das horas; e não a soma dos anos letivos com suas agruras, as neuroses dos professores e o sofrimento dos outros alunos, expostos ao charlatanismo mais cruel – o acadêmico. Só são assim os alunos que tenham ficado doentes. E pode ser que sim. Pode ser que tenham entrado precisando do básico e saíram precisando de tudo. Só são assim os que caíram na teia, do contrário, se saíram saudáveis, saem como entraram, só que mais aborrecidos.

Nas escolas, os ratos, vestidos de roxo, marcham, com o ego carente, a cabeça mole e a ignorância dos prisioneiros, por cima daqueles que se aproximaram sem o desejo de os bajular.  São o Lear sem Cordélia, mas com urubus muitos, tantos quantos puder – urubus como renda sem imposto.

E estão lá, nas nossas fuças, justificando seus empregos ao dizerem que sabem o que é a  educação… e mais grave, dizendo-se educadores, na mais franca das demagogias.

Nunca leram Quintiliano, nunca educaram ninguém, mas se põem a tramar, com os pedagogos e os politicoídes, uma nova farsa que perpetuará a eterna mentira: de que é preciso ser educado para ser culto e esconder que é a cultura que educa.

Esses parasitas de sonhos são sugadores de tempo, pagos por uma sociedade zonza, que repete, nocauteada, a palavra educação como a um mantra sem princípio.

São apodrecidas cascas sem ovos, cérebros vazios de consciência, de disposição e de vergonha na cara, que vendem seus peixes a preço de ouro ou gato por lebre no mercado das almas.

Assim, as escolas emburrecem em série e com pedigree.

Enquanto isso, moram, no trono da cultura, os impostores, infiltrados pela academia nos cafés, nas prateleiras, nas exposições, nas praças e nos cursos básicos.

Ao menos no Brasil, não há educação. Só há os imortais, coçando-se  pela frente e se odiando pelas costas, de faca nos dentes e vaidade en garde, bem longe das ideias, assombrando todas as pontes que pudessem levar ao conhecimento.

Gosto(8)Não Gosto(0)

Fio desencapado ou Incêndio no Museu Nacional

Pelo mundo tem-se falado, nesses últimos dois dias, sobre o incêndio do bicentenário Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, situado naquela que foi uma das cidades mais lindas do mundo – o Rio de Janeiro –, e que jaz morto ali mesmo. Para entender o tamanho da tragédia é preciso entender quem ateou-lhe fogo. Não trago números, mas trago um pedaço da verdade. Embora tenha angariado fama, ninguém conhece o Brasil – esse vilão de si mesmo. Só o brasileiro o conhece e, se não for muito esperto, pode ser o próprio Brasil sem se conhecer – a pior das sinas.

Bem-aventurados os que não nascem no Brasil ou aqueles que podem deixá-lo. Aqui, as bênçãos da Natureza contrabalançam a fome, o frio e a sede de nossas almas – pobres almas, carcomidas pelas ambições da Academia, dos ricos e famosos, dos jornalistas e dos políticos. Esses abortos da razão e da sensibilidade, velhos conhecidos … esses vícios sem virtudes, inflados pela vontade de um poder fraco e mixo ou de um dinheiro alto que só pode comprar o baixo.

Li que Portugal e França querem ajudar na reconstrução do Museu. Por favor não deem nada para o Brasil, nem bola. Tudo aqui queima, mingua ou apodrece, numa vida insalubre que respira o enxofre do inferno, num faz de conta cheio de custas, mais extraordinário do que o mais alucinado dos contos de fadas.
Aqui, não se pode ter a ousadia de adoecer. No Brasil não se tem saúde, tem-se sorte, fama ou dinheiro.

(Ler Mais…)

Gosto(20)Não Gosto(0)

A professora com que todos sonhamos

Conheci a Marisa Oliveira em 2011. Primeiro como mãe de um colega de turma da minha filha no Colégio de Nossa Senhora da Bonança (CNSB), em Gaia.

Aí descobri que era casada com o Zé Oliveira, amigo de vários amigos meus.

Rapidamente ficamos Amigos.

A Marisa e o Zé são gente boa, genuína e de um coração enorme.

Mais tarde conheci a Marisa na sua versão de professora de matemática.

E se já tinha uma grande admiração por ela enquanto mulher, mãe e amiga passei a admirá-la também como professora.

Falava com alegria, orgulho e com um brilhozinho nos olhos de todos os seus alunos e da instituição onde lecionava. Notava-se que amava o que fazia. Dar aulas de matemática era uma verdadeira paixão.

Muitas das nossas conversas eram sobre a paixão de ser professora. E não de uma disciplina qualquer. Logo da “maldita” matemática que a grande maioria dos alunos gostam de ver à distância. Diria mesmo que muitos fogem da matemática como o “diabo foge da cruz”. Que Deus me perdoe!

(Ler Mais…)

Gosto(41)Não Gosto(5)

Museu do Douro no 20º aniversário

Quem diria?! Estão já passados vinte anos sobre a publicação da Lei nº 125/97 – 2 de dezembro, que cria o Museu do Douro.

Não era expectável, mas foi-me dirigido um ofício da Fundação Museu do Douro a informar que o Conselho Consultivo havia aprovado por unanimidade uma proposta do Conselho Diretivo para me atribuir o título de Membro Honorário da Fundação Museu do Douro, F. P.

Consciente e convictamente, dirigi um e-mail ao presidente do Conselho Diretivo do seguinte teor:

«Recebi o V/ ofício de 13 de outubro pp, cujo conteúdo, numa primeira leitura, me causou surpresa. Não me ocorria o convite que me formula no último parágrafo. Afinal, o meu trabalho enquanto Deputado à Assembleia da República não deve merecer outro reconhecimento que não seja o sentimento do dever cumprido. (Ler Mais…)

Gosto(6)Não Gosto(0)

RESPEITEM OS PROFESSORES

Muito se tem dito e escrito sobre a contagem do tempo de serviço dos professores mas o que tem transparecido da propaganda governamental é que os professores teriam aumentos de 900 euros/mês, o que implicava um acréscimo de despesa de 600 milhões só em 2018, ao passo que para outros funcionários públicos o aumento da despesa seria de cerca de mil euros/ano/funcionário.
(Ler Mais…)

Gosto(6)Não Gosto(0)

A Inovação e o Empreendedorismo na Transformação da Cidade

Data e local: 28 de Julho, 17:00, Auditório do IteCons em Coimbra

Evento: detalhes aqui.

 

Tópicos para debate

Qual é o papel da inovação na mudança necessária nas cidades?
Como pode ser usada?
Qual o impacto na governação da cidade?
Que políticas devem ser realizadas?
São fatores de inclusão?
Qual o impacto na cultura, na vida e na organização da cidade, na atração de investimento, na atividade económica?
É importante organizar comunidades, explorar a vizinhança?
Como devem ser organizadas?
E a atividade empresarial, como deve estar espalhada pela cidade?
Impacto no urbanismo?
Uma cidade que se reinventa todos os dias.
Uma cidade de oportunidades.
Uma cidade inclusiva.
Uma cidade aberta à participação de todos.

 

Jose Antonio Salcedo (Empreendedor, ex-Professor Universitário)*

Franquelim Alves (ex-COMPETE, ex-Secretário de Estado da Inovação)

J. Norberto Pires (Professor da UC)

 

* Relator do relatório “A Inovação na Transformação da Cidade”, realizado no Porto a convite do Vereador do Pelouro da Inovação e Ambiente

 

 

Gosto(1)Não Gosto(0)

Afinal, o que é governar um país?

Dou comigo a pensar se estes camaradas sabem o que é um país. E também me questiono se ainda sabem o que é governar um país.

Recordando velhas experiências e conhecimentos, julgo que não andarei muito longe se definir um país como uma plataforma de pessoas e recursos, gerida de forma a satisfazer necessidades com base nas disponibilidades.

Chegados aqui, outra questão surge: e como se governa um país? Talvez o óbvio pareça tão óbvio que nem damos conta de como é fácil definir a coisa da governação. Se afirmar que é orientar as políticas da governação para a preservação dos recursos, de modo a gerar satisfação das necessidades das pessoas que deles dependem, também não andarei muito longe de uma boa definição de governação.

Se atendermos ao exemplo de um país como Portugal, temos então um bom caso de estudo. As potencialidades naturais e os recursos endógenos do país não são o driver fundamental do modelo de desenvolvimento. As políticas económicas não orientam a correção dos desequilíbrios estruturais de gastar sempre mais do que se tem. E, finalmente, os políticos que governam o país de forma alternada entre direita e esquerda não querem conhecer o país.

É esta a nossa desgraça! Não temos governantes que aproveitem realmente o potencial natural de Portugal porque se dedicam a folclore imediatista em busca de votos que lhes garantam emprego e poder.

Enquanto o atraso educacional não for ultrapassado continuaremos reféns de medíocres e corruptos. Não sou eu que o escrevo. Estão em todo o lado na nossa sociedade, desde o madeireiro ao banqueiro. Uma verdadeira máquina de destruição de valor coletivo.

Gosto(5)Não Gosto(1)