Doente: cliente ou utente em saúde – uma questão atual

Da utopia à razão de ser  

Em poucas situações duas simples palavras podem significar tamanhas diferenças na forma de ver o doente

O doente/cliente é resultado de uma opção livre, surge porque tem mais confiança, porque exerce um direito de escolha, confia enquanto a sua informação , a sua consciência ou a sua percepção lho indicar. O cliente em saúde, informa-se e decide. Faz da variedade de oferta, do conhecimento e rigor da informação, uma oportunidade. É a resultante de uma sociedade livre onde a sua opinião conta. Também, não sendo necessariamente um instrumento de lucro mas sim a primeira e última razão da viabilidade e sobrevivência das organizações . O doente entra por uma porta que lhe é aberta pela qualidade e pela liberdade, mas ele próprio pode fechar quando essa qualidade deixa de existir.

Por outro lado, o doente/utente utiliza o que lhe mandam, a sua opção não existe – é ditada por fatores geográficos, políticos, por redes de cuidados, por entidades que em gabinetes decidem por ele. É uma realidade passiva, sem alternativa e dificilmente lhe é permitido mudar. Representa um número que é esgrimido pela estatística, pelos rácios,pelos relatórios, pela casuística. São tão importantes os dados que, por vezes, interessa mais o computador do que a pessoa doente.Até as reclamações, são expressas em modelos formatados e as respostas padronizadas. Alimentam o coletivismo de uma organização em que, ao invés das pessoas, os processos estão em primeiro lugar. O utente entra nas Unidades prestadoras por comportas, em turbilhão – vai na corrente que alimenta listas de espera . Muitas são artificiais e nem deviam existir,mas  são a resultante de uma gestão que não contempla nem a eficiência nem o mérito. (Ler Mais…)

Gosto(44)Não Gosto(0)

A história não se repete ?

 Ler o País atual com os olhos da história

“O meu presente é sempre o meu passado ” (Bento Espinosa)

As figuras políticas da atualidade portuguesa : o nosso acelerado e afetuoso Presidente; o habilidoso Dr. Costa ; o bem avisado líder da oposição ; as nervosas deputadas do Bloco ; o sempre igual e coerente líder do PCP. Também, não podemos  esquecer alguns membros da Corte em que a política só é opção porque precisam dela para existirem. Todos são produtos ou subprodutos do sistema.

Há dezenas de anos, eram outros, muito semelhantes , que Eça e Ramalho descreveram e, Bordalo Pinheiro desenhou ou esculpiu. Até, a cíclica falência do Estado Português, coincidia com o esbanjar de uma riqueza virtual, porque provinha de empréstimos ou da severidade dos impostos A reforma do Estado, anunciada no início do século passado , consistia em fazer cortes salariais na função pública que, o Governo seguinte, tratava de reverter.

(Ler Mais…)

Gosto(43)Não Gosto(0)