Greve dos Técnicos Superiores de Saúde

Os técnicos superiores de saúde, que integram o raio X, a ressonância magnética e áreas afins, estão em greve, há mais de duas semanas, sem que o governo apresente uma resposta ou sequer um pequeno princípio de acordo que possa ser negociado. Agindo de má-fé, o ministério tem vindo a adiar sucessivamente a discussão de uma solução, com o objetivo de desmoralizar os grevistas, vencendo-os por desgaste. Sendo um governo de esquerda e que apregoa a defesa dos direitos dos trabalhadores, é verdadeiramente incompreensível esta atitude.

(Ler Mais…)

Gosto(3)Não Gosto(0)

RESPEITEM OS PROFESSORES

Muito se tem dito e escrito sobre a contagem do tempo de serviço dos professores mas o que tem transparecido da propaganda governamental é que os professores teriam aumentos de 900 euros/mês, o que implicava um acréscimo de despesa de 600 milhões só em 2018, ao passo que para outros funcionários públicos o aumento da despesa seria de cerca de mil euros/ano/funcionário.
(Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(0)

O amor, o tempo e as ondas do mar

Filhota linda, Princesa da minha Vida, talvez ainda não tenhas percebido o valor precioso do tempo, das horas, dos dias, dos meses, dos anos. Da vida. É normal. Está tranquila. Comigo passou-se o mesmo. Na tua idade temos e vivemos com a sensação de eternidade.

Mas o tempo passa. Passa rápido. É verdade. Este tempo voa depressa, muito depressa, como uma ave de rapina que nos consome os dias, que deviam ser de amor, mas que mais se parecem com uma presa apanhada. E cada dia que passa não volta. Acredita que não volta mesmo. Um dia vais perceber isto mesmo. Como eu também percebi quando cresci.

Sabes, filhota linda, estas são coisas da vida de quem se habituou a ver o tempo passar com a idade.

Mas fica tranquila. Tens uma vida pela frente. Eu é que já não tenho tanto tempo.

Por isso se um dia eu já não estiver por cá para te dar a mão, e o teu coração apertar, lembra-te que a vida é como o mar. Com ondas. Ora serenas e tranquilas, ora pesadas e reoltas. Sempre que se aproximarem ondas pesadas não te assustes, respira fundo, mergulha e deixa-as passar. Quando vieres à tona verás que o pior já passou. E a seguir virão ondas serenas que serão o sal da tua vida que desejo muito feliz, repleta de amor.

Saudades, muitas saudades. Do teu sorriso lindo de menina boa, dos teus beijinhos doces, das tuas meiguices singulares. Por muito tempo que passe estarás sempre presente no meu coração, ao longo dos meus dias, nas noites longas que passo sem dormir, nas lágrimas que correm discretamente pelo meu rosto, nas viagens sem fim.

Meu Amor maior, de uma coisa nunca tenhas dúvidas, amo-te muito, muito mesmo!

Gosto(57)Não Gosto(5)

A Rua de Santa Sophia e um FUTURO POR CUMPRIR

Gostava de vos falar de uma nova paixão. Uma paixão que tem nome.

Chama-se Sofia.

Não é uma mulher, é uma rua.

🙂

Uma rua fantástica, com história e um potencial fabuloso: A Rua de Santa Sophia, de Coimbra (atualmente, Rua da Sofia). É esse o tema do 7⁰ episódio do “E se…”, um programa que faço para o COIMBRA CANAL, com a realização de Rijo Madeira.

Mas qual é a história da Rua de Santa Sophia?

O rei D. Dinis criou em 1290 uma Universidade Portuguesa, dando origem a uma instituição que é hoje a universidade mais antiga do país e uma das mais antigas do mundo. O documento de criação da universidade dá origem ao Estudo Geral que é reconhecido nesse mesmo ano pelo Papa Nicolau IV. Essa Universidade começou a funcionar em Lisboa, mas foi transferida definitivamente para Coimbra em 1537 por ordem de D. João III. A vida da Universidade prossegue em Coimbra, com várias peripécias até atingir aquilo que é hoje: uma universidade internacional, clássica, com forte imagem em Portugal e no Estrangeiro, fruto do prestígio dos seus docentes, alunos, investigadores e da atividade científica e cultural que realiza.

Não é sobre a Universidade de Coimbra que vos quero falar, mas sim de uma das ruas mais antigas da europa e que esteve na génese da Universidade de Coimbra e é hoje património mundial da UNESCO: a Rua da Sofia.
(Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(0)

Quem mais dá…

A procura do conflito

Estive fora uns dias. Quando cheguei, apercebi-me de que houvera grande turbulência. Remodelação ministerial, o comentariato nacional a querer encontrar pontos de divergência e de discórdia entre o Presidente, hoje, já era mesmo a Presidência, da República e o Primeiro-ministro. Tudo era objeto de análise para encontrar um conflito institucional. O cúmulo terá acontecido ontem na TVI24, em mais de 1 hora, com direito a intervalo, após a entrevista do Primeiro-ministro. (Ler Mais…)

Gosto(2)Não Gosto(0)

Um santanista desde miúdo

Estas eleições para a presidência do PSD estão a dar-me um gozo especial. A candidatura de Pedro Santana Lopes baralhou todos os tacticistas do costume. É completamente desprezível ver o comportamento de algumas pessoas. A dependência da política e a cegueira pelos lugares nem permite à maioria darem-se conta das suas figuras ridículas. Mas estes tacticistas estão enganados. Pedro Santana Lopes é um homem diferente, é um político humanista, experiente e corajoso que nunca será refém de nenhum apoio nem se deixará manietar por ninguém.

(Ler Mais…)

Gosto(21)Não Gosto(7)

Reflexões, Ingratidões, Maldades e o Amor, sempre o Amor!

Tenho dias que sinto que existem neste nosso mundo muitas pessoas más e ingratas.Infelizmente estás duas “qualidades” andam muitas ocasiões de mãos dadas.Tenho dias que sinto que me devia dedicar a fazer mais isto ou aquilo. Que devia ter mais reconhecimento público.Tenho dias que sinto que devia ser eu a desempenhar determinadas funções. Ainda por cima vida tem-me demonstrado que tenho talento e potencial mais que suficiente.

Mas algo aconteceu nos últimos anos que se acentuou nos últimos meses. Ao mesmo tempo que olho para trás e penso se deveria tê-lo feito ou não ouço uma voz muito serena dentro de mim que me diz: “Paulinho essas coisas não são para ti e tu sabes bem disso”. E acho que é mesmo assim. A verdade é que tive essa vida durante anos atrás e optei por me afastar dela. Sim, é verdade, tinha mais uns euros no banco, mas sinceramente isso tornou-me um homem muito mais infeliz do que sou hoje.

(Ler Mais…)

Gosto(16)Não Gosto(5)