Hoje correrei a maratona a teu lado

O José Gabriel Quaresma para muitos é uma figura pública que entra nas nossas casas, sem pedir autorização, pela janela da TVI.

Para mim é muito mais. É um Amigo. Um Amigo muito especial.

O Zé, o Zézinho como às vezes o trato, tem um coração enorme. Do tamanho do mundo.

Vivemos longe mas direi que falamos quase todos os dias. E não falamos de notícias. Falamos da vida, das nossas vidas. Dos momentos bons e dos menos bons. Das alegrias e das tristezas. Onde encontro sempre uma palavra e um conselho amigos. Ele sabe que é recíproco. Uma amizade genuína, verdadeira, como hoje existem poucas.

Hoje, daqui a pouco mais de uma hora, o Zé Gabriel vai dar inicio ao cumprimento de um sonho. Vai correr a maratona de Berlim. Vai fazer 42,195 quilómetros que demoraram 9 meses a preparar.

E não vai correr sozinho. Eu sei que vão fazer esta corrida milhares de pessoas. Mas não falo destes. Falo dos filhos, da Carla, dos Pais, que tanto ama e dos amigos que muito estima.

Desculpem-me todos os atletas que farão a maratona mas o Zé será o mais especial de todos os corredores em Berlim. É o maratonista peregrino que vai correr pela família e pelos amigos mas por um amigo muito em especial que faleceu recentemente.

Eu não vou estar em Berlim mas será como se estivesse. Vou correr ao teu lado. Vais cumprir este teu sonho. E muitos outros sonhos se seguirão que vais cumprir. Sabes porquê, Zé? Simplesmente porque mereces tudo de bom na vida. Zé, continua assim, sempre igual a ti próprio!

Paulo Vieira da Silva

Gestor de Empresas / Licenciado em Ciências Sociais – área de Sociologia
(Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico)

Gosto(16)Não Gosto(0)

Je ne suis pas latrina

Esta semana tenho passado metade do meu tempo das consultas a tranquilizar os pacientes sobre a qualidade da cirurgia feita no Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNGE).

Os últimos acontecimentos geraram na população alarme social, inquietação e duvida que impactam negativamente na eficácia do acto médico.

Desde 2003 tenho feito, como tantos outros colegas, neste hospital cirurgia de primeiro mundo com resultados de primeiro mundo, e que aliás tenho divulgado com orgulho pelas mais diversas latitudes.

Sei do que falo pois já trabalhei por longos períodos em Glasgow, em Paris e nos EUA, e não ficamos atrás. Verifico também com agrado que a qualidade de todos os profissionais de saúde deste hospital é sublinhada por todos os médicos estrangeiros que têm vindo aprender comigo.

Claro que as estruturas estão depauperadas, e não é uma falta recente mas de anos, mas o corpo clinico e assistencial do hospital são da melhor qualidade a nível nacional. Até por isso deveria ser dado ao CHVNGE um estatuto e um orçamento de paridade em relação aos demais hospitais do Grande Porto.

É nessa luta que todos devemos estar empenhados, e não em servir os torpedos que olham para hospital como uma coutada fácil de anexação por outros hospitais ou como palco de lutas politico-partidárias ou de projectos pessoais.

Estamos no CHVNGE para servir os doentes.

Óscar Alves

Médico Neurocirurgião

Gosto(33)Não Gosto(0)

Imprescindíveis

Numa democracia adulta os ocupantes de cargos públicos nunca são imprescindíveis.

Vem isto a propósito da actual polémica relacionada com a escolha do novo Procurador Geral da República.

Após seis anos de mandato a Procuradora Joana Marques Vidal divide a opinião publica portuguesa em relação à eficácia do seu trabalho, algo que acontece em quase todos os cargos de comando.

Este cargo não é outorgado por eleição mas sim por escolha do Governo e nomeação pelo PR.

Mal estaria a justiça em Portugal se fosse necessário renovar mandatos de seis anos pelo facto de alguém ser IMPRESCINDÍVEL.

Que pensariam os outros magistrados?

Doze anos é tempo demasiado para se ocupar um cargo tão importante, algo que não acontece com nenhum outro oriundo de eleições.

Estou convicto que a própria Dra. Joana Marques Vidal não pensa na renovação do mandato e não se considera imprescindível.

Gosto(6)Não Gosto(0)

Fio desencapado ou Incêndio no Museu Nacional

Pelo mundo tem-se falado, nesses últimos dois dias, sobre o incêndio do bicentenário Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, situado naquela que foi uma das cidades mais lindas do mundo – o Rio de Janeiro –, e que jaz morto ali mesmo. Para entender o tamanho da tragédia é preciso entender quem ateou-lhe fogo. Não trago números, mas trago um pedaço da verdade. Embora tenha angariado fama, ninguém conhece o Brasil – esse vilão de si mesmo. Só o brasileiro o conhece e, se não for muito esperto, pode ser o próprio Brasil sem se conhecer – a pior das sinas.

Bem-aventurados os que não nascem no Brasil ou aqueles que podem deixá-lo. Aqui, as bênçãos da Natureza contrabalançam a fome, o frio e a sede de nossas almas – pobres almas, carcomidas pelas ambições da Academia, dos ricos e famosos, dos jornalistas e dos políticos. Esses abortos da razão e da sensibilidade, velhos conhecidos … esses vícios sem virtudes, inflados pela vontade de um poder fraco e mixo ou de um dinheiro alto que só pode comprar o baixo.

Li que Portugal e França querem ajudar na reconstrução do Museu. Por favor não deem nada para o Brasil, nem bola. Tudo aqui queima, mingua ou apodrece, numa vida insalubre que respira o enxofre do inferno, num faz de conta cheio de custas, mais extraordinário do que o mais alucinado dos contos de fadas.
Aqui, não se pode ter a ousadia de adoecer. No Brasil não se tem saúde, tem-se sorte, fama ou dinheiro.

(Ler Mais…)

Gosto(19)Não Gosto(0)

Faleceu o Bom Senso

O Bom Senso andava desaparecido há algum tempo mas hoje tive a notícia que infelizmente faleceu o nosso querido amigo. O Bom Senso era filho da Confiança e da Verdade e casado com a Discrição de quem teve duas filhas, a Razão e a Responsabilidade. Infelizmente todos morreram precocemente. Da família ficou apenas o Bom Senso que agora nos deixou. Uma notícia muito triste!

 

Gosto(38)Não Gosto(1)

Por PORTUGAL

 Em 1997 fui eleito a primeira vez Presidente de uma Câmara Municipal, a de Castelo de Paiva. Vivia eu apenas há 18 meses neste concelho. Durante 12 anos dediquei-me, a tempo inteiro, (abdicando de uma confortavel vida familiar e profissional), de alma e coração, à causa pública. Servi o meu País. Todas as funções que exerci até hoje aos mais diversos níveis foram desempenhadas com o mais elevado grau de responsabilidade. Mais importante do que os partidos, neste área,  fundamento as minhas decisões no serviço da causa pública e procurar fazer o melhor pelo meu País.Em 2017, aceitei mais um desafio, e num concelho diferente daquele que servi de 1998 a 2009. Nunca me arrependi dos actos e decisões que tomei. E aqui recordo quando trabalhava na holding pessoal de Américo Amorim e aceitei ser candidato à Autarquia de Castelo de Paiva, estávamos em 1993. Nesse ano nao venci as eleicoes. Tenho orgulho na obra realizada da cultura ao desporto, da dinamização empresarial às acessibilidades, da educação à saúde, do ambiente à qualidade de vida. Muito se fez, e estou consciente que muito mais há para fazer. Muitos criticam, mas quando chamados a participar na actividade recusam-se e refugiam-se nos textos ou, na era moderna nas redes sociais. Participar  na actividade política é um dever cívico. Todos somos poucos. Todos temos obrigação de continuar a trabalhar por PORTUGAL.
Gosto(2)Não Gosto(1)

A política passa, os amigos ficam

É publico que sou amigo do Pedro Santana Lopes, sempre o demonstrei sobretudo nos momentos mais difíceis. Compreendi e respeito a sua decisão de sair do PSD. Confesso que preferira que assim não fosse mas a vida é assim mesmo.

Hoje inicia-se o processo de formação do seu novo partido – Aliança – com a recolha de assinaturas ao longo do País. Não estarei neste seu novo projecto politico. Já lho transmiti com amizade e lealdade.

Há dias um outro amigo, Pedro Duarte, disponibilizou-se para assumir uma candidatura à liderança do PSD.

Há muitos anos lhe dizia que um dia iria ser Presidente do PSD e Primeiro-Ministro. Não digo que estava escrito nas estrelas mas sempre acreditei nisto. Pelas suas qualidades pessoais, profissionais e intelectuais. Mas também porque partilhamos os mesmos princípios, valores e causas. Muito poucas pessoas – talvez duas ou três – me retirariam destes anos sabáticos completamente afastado da vida politica. Uma dessas – poucas pessoas – era o Pedro Duarte. Por isso coerentemente estarei ao lado do meu amigo Pedro Duarte para o ajudar a construir o projecto político que – mais cedo ou mais tarde – irá apresentar aos portugueses.

Ao meu amigo Pedro Santana Lopes desejo-lhe os maiores sucessos – porque merece tudo de bom na vida – estando certo que compreenderá esta minha decisão. Os amigos compreendem e respeitam os amigos.

Termino como comecei. A política passa, os amigos ficam!

Paulo Vieira da Silva

Gestor de Empresas / Licenciado em Ciências Sociais – área de Sociologia
(Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico)

Gosto(10)Não Gosto(2)

Por um novo rumo.

A 9 de Dezembro de 2017, a convite do Presidente da CPC do PSD de Castelo de Paiva (aqui na foto comigo e com Pedro Santana Lopes) participei num jantar de Natal de um partido político no qual fui filiado de 1991 a 2017. Foram 26 anos de intensa actividade em que muitas coisas positivas e negativas aconteceram. Entrei pelos meus próprios pés, em Setembro de 1991, através da Secção do Bonfim, na cidade do Porto, cidade onde vivi os primeiros 32 anos da minha vida. Filiei-me sem padrinhos, nem outro tipo de interferências.
Nunca exerci cargos de nomeação política, sempre eleito pelo povo, o que me dá ainda mais liberdade de pensamento.
Como trabalhador mantenho-me até hoje como filiado nos TSD’s, uma organização na qual se pode ser filiado, sem ter de se ser obrigatoriamente filiado no PSD.
Quanto à ligação ao PSD, da mesma forma que procedi em 1991, mas agora usando as novas tecnologias, com um simples email de um parágrafo (5 linhas) desfiliei-me do PSD, a 13.3.2017.
Nos últimos meses tenho assistido a actos semelhantes (desfiliações) de muitos militantes com quem convivi e que representaram o Partido a um nível ainda mais elevado.
Um desses militantes foi Pedro Santana Lopes. Ele não foi um militante qualquer. Ele melhor que ninguém saberá as razões que o levaram a tomar tal atitude.
O que vai fazer daqui para a frente, a ele competirá decidir.
Tenho assistido nos últimos dias a algum aparente nervosismo de alguns militantes sociais democratas.
Vivemos num País livre e democrático. Vivemos num país em que temos de respeitar a liberdade e o pensamento dos outros.
Tal como eu, muitos portugueses não se revêem no pensamento e ação do actual líder do maior partido da oposição.
Sempre aprendi que o futuro a Deus pertence.
Vamos deixar a nau portuguesa andar e que o futuro nos leve a bom porto.
Gosto muito do meu País e é aqui que quero continuar a viver, de uma forma livre e democrática. Pretendo continuar a pensar pela minha própria cabeça, sem os constrangimentos que uma militância partidária assim o exige, e que no na Assembleia da República tem a sua antítese como expoente máximo.

Gosto(3)Não Gosto(0)