Isaltino, Valentim e o Professor Alberto de Vila Pouca

Nos últimos meses Isaltino Morais e Valentim Loureiro terão sido convidados pelas estruturas do PSD para serem candidatos, respectivamente, às Câmaras Municipais de Oeiras e Gondomar.

No primeiro caso terá sido Isaltino a recusar o convite. No caso de Gondomar foi Passos Coelho que vetou o nome do Major Valentim Loureiro.

A política exige coerência nas atitudes e nas decisões. Exige a utilização do “mesmo peso e da mesma medida” para todos. Mas assim não foi. No último Conselho Nacional do PSD o nome de Alberto Machado foi aprovado como recandidato à Câmara de Vila Pouca de Aguiar

(Ler Mais…)

Gosto(15)Não Gosto(6)

Juras de amor: O amor é lindo num país do terrorismo da violência doméstica diário.

O desabafo de hoje, se me é permitido, prende-se, necessariamente, com a desgraçada ameaça terrorista interna que, de forma mais ou menos silente, e ano após ano, vai matando centenas de portuguesas. O agressor, esse terrorista do amor neandertal luso, está mais do que identificável pelas autoridades. Não obstante, os crimes, hediondos, parecem não parar de nos surpreender. Diariamente! (Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(0)

A Europa ou Estará Unida ou não Será Nada

 Esta frase terá sido proferida na Cimeira de   Roma do passado dia 25 por Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu. Parece-me carregada de sentido e de oportunidade. Afinal, nestes 60 anos, o que os fundadores e os que se lhe seguiram quiseram construir foi uma unidade que evitasse as guerras fratricidas que destruíram a Europa duas vezes na 1ª metade do século XX, consolidar a democracia, procurar o crescimento económico e o desenvolvimento dos povos europeus, em coesão económica e social.

(Ler Mais…)

Gosto(1)Não Gosto(0)

Apatia

“Não  planto capim-guiné

 Pra boi abana rabo

Eu tô virado no Diabo

Eu tô retado cum vocês

Tá vendo tudo e fica aí parado

Cum cara de viado

Que viu caxinguelê”

Raul Seixas

Olhar estatelado, fixo, congelado. Paralisia. Muito se pensa, pouco se faz. No rugir da noite fria o resmungo, incômodo, insatisfação e cama. A vida terceirizada de responsabilidade projeta a culpa da existência sempre em um terceiro: Deus, Jesus, Satanás, presidente, governador, prefeito, no estrangeiro, FMI, cônjuge, colega de trabalho, naquilo  que estiver mais perto, no que for mais cômodo. E a paralisia continua.

(Ler Mais…)

Gosto(3)Não Gosto(0)

Que futuro União Europeia?

O presidente do eurogrupo, um dos conselhos mais importantes da União Europeia, veio a publico afirmar que os países do sul da Europa gastavam todo o seu dinheiro de forma irresponsável, nomeadamente em mulheres e álcool. Para os mais despercebidos, estas palavras constituem uma dura resposta, para àqueles que anseiam por uma renegociação das dívidas públicas, com especial destaque para vários grupos de economistas e para alguns políticos que nos últimos meses têm procurado introduzir o debate “em cima da mesa”, com a ajuda dos relatórios do FMI. Como é certo e sabido, o presidente do eurogrupo é apenas o porta-voz das nações mais poderosas da união europeia, expressando as suas orientações políticas e económicas, sob a forma de constantes alertas à “navegação”. (Ler Mais…)

Gosto(3)Não Gosto(0)

Do encantamento…

Era criança quando ouvi pela primeira vez uma mulher cantando a “ Dama da noite” de Mozart. Não sabia bem o que era aquilo, mas sentia que era mágico. A construção da melodia, o jogo das notas, o ar lúdico, era belo e instigante, e ali me vi preso a música. Não sabia quem era, o que cantava, se tinha boas ou más intenções.  Nada disto importava.  Era uma criança refém pra sempre da melodia de Mozart.

Dias atrás conversava com um colega sobre a problemática do encantamento. A drástica mudança que vivemos nas duas últimas décadas  com a perda do fascínio.  Tudo é tão pronto, plastificado, cópia, mesmice que a magia do encantamento se esvaiu.  Do cinema , ao teatro, da música as artes plásticas, dos negócios, a política, da amizade ao enamora mento. Onde foi que meteram o fascínio, a sedução, o charme, a beleza , a educação?

(Ler Mais…)

Gosto(5)Não Gosto(0)

Um fartou-se do Santana mas há muitos que gostam do Santana

“Fartei-me do Santana”. É assim que Jorge Sampaio é citado no segundo volume da sua biografia da autoria do jornalista José Pedro Castanheira.

Primeiro começo por confessar que entendo que este tipo linguagem não enobrece um antigo Presidente da República quando se refere a um antigo Primeiro-Ministro.

Mas o livro vai mais longe, muito mais longe e cita diversas pessoas próximas do antigo Presidente da República. Na altura parece que tudo o que rodeava Sampaio dava palpites sobre Pedro Santana Lopes.

Na sua quase totalidade não conheço as personagens, que julgo terem sido assessores de Sampaio, mas todos mais pareciam psicólogos do antigo Primeiro-Ministro.

(Ler Mais…)

Gosto(6)Não Gosto(1)